Shantala para bebês – a massagem do amor

Shantala para bebês – a massagem do amor

Ana Schoriza (mamaedossonhos.com)

A Shantala é uma massagem de origem indiana, difundida pelo médico ginecologista obstetra francês, Leboyer. Em uma de suas visitas pela Índia, mais precisamente em Calcutá, encontrou, em uma comunidade carente, uma moça paralítica aplicando massagem em seu bebê, o que lhe chamou a atenção, principalmente pela precisão do toque e da troca de afeto que a massagem propiciava. O nome da moça era Shantala, por isso a massagem assim foi batizada, quando da divulgação da técnica em um livro pelo mesmo médico, na década de 70, que fotografou a mãe da criança em diversos movimentos.image-39-150x150 Shantala para bebês - a massagem do amor
Na Índia, a massagem é popular, fazendo parte dos afazeres diários das mães. A técnica consiste em leves e lentas compressões, em movimentos de alongamento por todo o corpo da criança: peito, braços, mãos, pernas, pés, costas e rosto.
A massagem favorece especialmente o contanto e a comunicação entre os pais e a criança. Há uma remissão do toque à sensação que o bebê vivenciava no útero materno. No caso do bebê, a massagem alivia as cólicas e os gases. A partir do momento em que o bebê é tocado, começa a ter noção do seu tamanho e das partes do seu corpo, e, ao mesmo tempo, há o fortalecimento das articulações do corpo. Estimula o ganho de peso em prematuros, especialmente. Promove sensação de bem-estar e relaxamento, o que conduz a um sono mais tranquilo.
Devido à redução do estresse proporcionada pela massagem, o sistema imunológico passa a funcionar melhor devido à ativação da circulação. Os movimentos de alongamento no peito ajuda na liberação do sistema respiratório. Vale lembrar, também, que o tato é o sentido do corpo que mais beneficia o desenvolvimento psicomotor, pois estimula os reflexos com o toque. Ajuda, ademais, a acalmar crianças ansiosas, com síndrome de down ou paralisias.
A partir de um mês de vida, a massagem pode ser aplicada, com respeito à cicatrização do umbigo. É mais indicada para bebês de 1 (um) a 4(quatro) meses, contudo pode ser aplicada até quando ainda persistir a aceitação. Não é indicada nos casos de crianças com febre ou gripe. Dura de 15 a 30 minutos, sendo aumentada gradativamente. É importante deixar a criança à vontade, evitando os mesmos movimentos de forma mecânica e fria. Deve-se utilizar um óleo vegetal 100% natural e puro para as aplicações, geralmente o de amêndoas doce. A massagem pode ser finalizada com um banho relaxante ou terapêutico.
É importante que a pessoa que aplica também esteja relaxada, pois os bebês são muito sensíveis a percepções. E sobretudo, é uma oportunidade para esquecer as dificuldades do dia-a-dia e relaxar, fazendo com que seja um momento mágico de olho no olho e troca de afeto com a criança. Vamos aprender como aplicar?